Uma voltinha na viatura

Esse blog está uma novela, ora sai do ar sabe lá o porquê, ora o domínio congela, ora a blogueira some. Não tem sido fácil (risos), mas vamos em frente. A minha inspiração para escrever ultimamente tem sido baixa, estou resolvendo problemas na vida pessoal, entrando em semana de prova, saindo de uma semana de prova da minha filha que me deixa doida também... preciso de férias, de preferência em alguma ilha paradisíaca onde só me alimente e faça sexo, muito sexo, porque sexo nunca é demais. Alguém aí se habilita a me levar? Me comporto direitinho, prometo!

Mimimis à parte, trouxe para vocês hoje uma história bem excitante de uma amiga, que um tempo atrás, decidiu dar uma voltinha com um conhecido na viatura da polícia. Vem ler!

...

Era meio de semana, não me recordo se quarta ou quinta feira, nós, as meninas do turno, combinamos de fazer algo na casa de uma das meninas, ela morava em uma kitnet no centro da cidade, combinamos e fomos festar, resumidamente o plano era com bebidas, ficarmos alegres. Providenciamos vodca, whisky, refrigerante de limão, gelo, etc. A ideia era justamente ficarmos mais alegres.

Começamos a beber era umas 19:30, estávamos em 5 meninas e quando foi umas 21:00 até onde me lembro estávamos bem animadas já. Após isso lembro-me de flashs até o momento de maior adrenalina, que nunca vou esquecer... pois bem de repente decidimos ir para a avenida da cidade que era a meia quadra dali. Preparamos mais 3 copos e fomos, não me lembro o horário ao certo, mas a ronda da PM passara por ali, o policial no volante conhecido meu da época da escola, cidade pequena já viu, dali uns minutos passou novamente e parou. Tudo normal, não fazíamos nada de mais, exceto a troca de olhares que se iniciou. Umas das meninas já bêbada pediu para dar uma volta na viatura, essa foi a deixa, mas ela já afirmou “quero ir mas a Bia (no caso eu) tem que ir tbm". Certamente ela percebeu o clima e lá fomos nós, demos uma volta na avenida, os dois policiais muito simpáticos e atenciosos, até que entraram numa rua que dá acesso a uma das saídas da cidade, naquele momento eu e minha colega nos olhamos e demos risada, aquela noite seria diferente.

Há alguns quilômetros da cidade chegamos em um ponto onde tem uma ponte, ele desceu com a viatura até debaixo dessa ponte, era lua cheia, muito claro, noite perfeita para fazer qualquer coisa ali. O passageiro desceu e abriu a minha porta, veio no intuito de me agarrar, dei um selinho nele e disse para ele ficar com ela, minha colega, e eu parti para o meu interesse. Nisso o policial que estava no volante, o que trocamos olhares anteriormente já estava dando a volta na, cheguei ao seu encontro e ali começamos, beijo quente, pegada forte, ele já com seu membro grande e já duro que pude sentir perfeitamente por cima da farda, abri sua calça, abaixei e o chupei com gosto, após 7 anos de casada nunca chupei um pau com tanto tesão como aquele dia. Nessa altura, eu toda molhada já com o tesão ao máximo pela situação, pedi a camisinha, o meu policial pediu que o amigo pegasse e ouvi o amigo se aproximando para entregar e vendo eu com o pau todo na boca disse “nossa, tbm quero rss”, me levantei, sorri para ele, mas nada falei e ele foi cuidar da minha colega que já estava com a saia na cintura e sem calcinha no banco de trás da viatura, deu mais tesão quando o meu policial me colocou de costas para ele e me penetrou firmemente por trás, aquele pau grosso deslizou rapidamente em todo aquele mel que se formara, aquela dor gostosa daquele pau grande em mim só aumentou o tesão, ainda mais quando pude ver o outro policial fodendo minha colega de quatro ali na minha frente, no banco de trás da viatura.


Estávamos chegando ao auge quando o amigo chega e chama para ir embora, não me recordo o porquê ao certo, mas o meu policial só disse para ele esperar, mau fechou a boca senti aquela pressão do jato de gozo dentro de mim, pedi para continuar, mas não deu, olhei para o amigo já vestido a calça, notei que estava no ponto ainda. O meu policial perguntou se ele havia gozado ele disse que não, ambos me olharam como se pedissem ajuda, percebendo que eu queria mais, nem precisaram pedir, eu só sorri e arrebitei ainda mais o bumbum, foi o tempo de pegar outro preservativo e eu levar mais rola.

E foi assim que finalizei os dois policiais embaixo da ponte com minha colega emburrada no banco de trás por frescura e eu muito satisfeita. Nos levaram de volta e nunca mais tocamos no assunto.

Conto enviado por: A.C - MT


Beijos,
Nina




CONVERSATION

0 comentários:

Postar um comentário