A "Profissional"


“Bom dia, Jorge*, gostaria de te informar que estou em Marte** por alguns dias. Gostaria de te encontrar pelo menos para um café e um abraço de despedida. Estou enviando por esse e-mail para me preservar e preservar você, se quiser pode me responder aqui mesmo. Beijos, Jorgina”.

Quando terminei de ler o trecho acima, uma raiva subiu e minha vontade era dar uns bons tapas na cara dessa garota, que aliás, não me conhece ou sabe da minha existência, mas sei da dela. O texto compartilhado ali faz parte de um e-mail que faz parte de uma longa história, que chegou até mim por uma seguidora do meu antigo canal no Youtube

Um casal passou um longo período sem se ver, devido a trabalho estavam em países diferentes. Ele, se sentiu carente e contratou os serviços de uma profissional para lhe fazer companhia por algum tempo. Daí que ele sendo um lord (segundo a esposa), a “profissional” se apaixonou e se apaixonando, não aceitou o “encerramento do contrato”.

Apaixonar-se pelo cliente é “ossos do ofício”, já aconteceu comigo e todo mundo está favorável, inclusive o cliente. No entanto, esse em especial não ficou lá essas coisas de apaixonado, pois já era pela sua esposa, que aliás, compartilham uma linda história.

As mulheres vão questionar “Nina, se ele é apaixonado pela esposa por que contratou uma acompanhante? ”. E essa é uma outra longa discussão que apenas mulheres que conseguem separar Sexo de Amor vão compreender.

O fato é que ele ama a esposa e achou que seria melhor para relação se lhe contasse o que havia ocorrido. Ela ficou destruída, a princípio.  Conversaram muito, ele demonstrou de todas as maneiras que era com ela que queria continuar. Já ela, achou que precisava ir buscar e pesquisar esse universo de traição e acompanhantes para entender os motivos do seu marido, e fazendo isso, encontrou meus vídeos. Fez contato, me contou a história, pediu opinião, deu sugestões de conteúdo e a partir de então, criamos um laço de amizade.

A “profissional” depois de ir embora da vida do seu marido, entrou em contato diversas vezes. Aparentemente não conseguiu entender e aceitar o porquê da escolha dele pela esposa e não por ela, na flor da juventude.

Essa história tem tantos lados para se discutir, mas inicialmente quero que sirva de alerta para os homens em geral. A mensagem do e-mail da garota no início dessa história foi enviada recentemente para ele, que vem deixando a esposa a par de todas as tentativas de contato dela, que não desiste.

É compreensível os dois lados, mas daí não deixar mais o cara em paz no casamento dele, é outra história. Isso traz uma avalanche de lembranças e fases ruins, principalmente para a esposa que precisa recordar a dor da traição. Todos frustrados, um porque sente que errou, uma porque foi traída e ainda a que não aceitou a rejeição. Um desgaste para a vida desnecessário.

Quando eu fico irritada com homens que não leem o meu perfil tenho os meus motivos. Ouço história semanalmente de cliente que se decepcionou com a escolha da garota, na maioria das vezes porque a foto não batia com a realidade, mas sei que também que eles não fazem a sua parte que é ver tudo que tem disponível na garota no site.

Da mesma forma isso funciona com a personalidade. Se saiu com a garota e começou a perceber que ela é pegajosa demais, que manda mensagens quando só deveria receber, o alerta deve ser acionado. Ninguém tem bola de cristal para adivinhar o que a relação vai se tornar, mas ao menor sinal de fumaça, grite fogo e saia correndo. O preço mais caro a se pagar é o psicológico.

Da mesma forma que garotas que se dizem “profissionais” deveriam cumprir com seu papel. Nunca entrar em contato com o cliente seria a regra número um se houvesse um manual de acompanhantes.

Tudo bem se apaixonar, afinal, ninguém possui controle desse tipo de emoção, mas tornar a vida de alguém num inferno, isso não é amor, é prejudicar a vida de alguém que te proporcionou bons momentos. Independente do compromisso financeiro, procurar amor no outro sem reciprocidade, é falta de amor próprio. 

CONVERSATION

0 comentários:

Postar um comentário