Aos futuros parceiros de transação comercial


AVISO
ESTE TEXTO POSSUI ALTO ÍNDICE DE SINCERICÍDIO DEVIDO A ESPECIAL SEMANA DA TENSÃO PRÉ MENSTRUAL

Que me desculpem os desprovidos de capacidade neural objetiva, mas burrice broxa. Os leitores mais assíduos já conhecem esse meu ponto de vista, então, não vamos perder tempo, esse texto é mais uma vez um desabafo cansativo daquela humilde garota que precisa ouvir (e falar) de tudo um pouco.

Comecei a escrever esse texto por volta de umas 11:40 da manhã numa sexta-feira acompanhada de um copo de "puro malte" gelado. Me dei permissão.

O meu quase fiel leitor intitulado nos meus contatos como “Prof Diamantino” já havia proclamado às 6 e pouco da matina: #sextou!
                - Hoje sim, prof!! Hoje pode! – Respondo a ele ironizando ao fato de que na quinta o danadinho já queria proclamação.

Percebi o meu mal humor logo cedo quando brechas de sol começou a invadir o meu quarto, era quase 6 da manhã e percebi que me atrasei mais uma vez para saída da minha caminhada matinal que tenho me obrigado há duas semanas.

Há dois dias atrás esse mesmo dourado esplendoroso que surgia na frente da minha janela me encantou de tal forma que fotografei, filmei, postei no status, mandei pro crush e agora a única coisa que eu conseguia pensar, era: Porra! Já???

Tudo bem, identifiquei a carranca logo e decidi que não sairia debaixo daquelas cobertas por nada, foda-se a caminhada, hoje eu quero enrolar.

Mais tarde, recebo uma mensagem de um sujeito que queria uma rapidinha. Na minha cabeça eu penso: defina “rapidinha, malandro?" Porque até que eu tome um banho, me visto, passo um trem na cara para ficar um pouco melhor, espero uns vinte a trinta minutos o cara chegar, trocamos algumas dúzias de palavras até que todo mundo fique pelado para começar o sexo, nada disso se caracteriza como “rapidinha”, tá confudindo as personagens. Rapidinhas só funciona com as aquelas denominadas e civilmente aceitas como esposa, porque vocês dois já estão ali na cama, a bundinha já está ali virada pro seu lado, você só precisa se aconchegar ali entre as extremidades depois da permissão dela, claro. Não queira ter uma rapidinha com acompanhante porque obviamente você sai na desvantagem.

Começo a suspeitar que essa definição tem significados diferentes para nós. Para ele quer dizer: "me dá um desconto porque eu vou gozar rápido". Penso comigo: Não vai rolar desconto, amiguinho. A turma que frequenta aqui sabe como eu detesto que me peçam. Isso também é broxante.

Depois de chegarmos a um denominador comum de que não haveria um preço menor, o sujeito começa: “sou casado, no sigilo hein”.

Porra! O que os caras pensam quando pedem sigilo? Que a gente vai divulgar no jornal? Embora alguns clientes de me deem orgulho de tê-los atendido, ainda não é meu sonho de consumo tatuar na minha testa os nomes dos felizardos.

Detesto homem Beta, aquele que morre de medo de tudo, é burro e ainda subestima a capacidade do universo ao redor.

Senhores futuros parceiros não façam isso. Não estamos aqui para difamar aqueles que nos dão prazer e pagam nossos “salários”. Queremos quase a mesma coisa: sexo e descomplicação.

No mais, não havendo discórdia no início da nossa conversa, você vai chegar nos meus aposentados e eu vou te receber com um sorriso e alguma roupa justa. Vou te oferecer alguma coisa para beber, vou te encaminhar para o quarto, bater um papo contigo até eu sentir que o seu desejo começa me devorar com os olhos. Aí sim a festa começa, mas até lá, você precisa caminhar pelo trilho da etiqueta dos bons modos e bom senso.

Se não, nada de Nina para você, nem pagando o dobro (pq alguns idiotas acham que oferecendo o dobro eu mudo de ideia, não “neném”! Sai mais barato ser educado e inteligente, acredite!
J



CONVERSATION

1 comentários: