O dia que me dispensaram da putaria


Era umas nove da manhã quando recebi uma ligação questionando quais as possibilidades de eu participar de uma festinha.

Festinha é, em outras palavras, uma suruba ou orgia.

Nunca aceitei esses convites, mas naquele dia o sujeito despertou-me curiosidades. Seriam quatro homens e duas garotas, eles de fora. Não teria bebida alcoólica e nem uso de celular, pois todos precisavam de muita discrição.

Conversa vai e conversa vem, comecei a me animar com aquela história. No entanto, ainda rolava a negociação entre a outra garota e os rapazes. A safadinha fez uma proposta de transar com todos eles, incluindo sexo anal, e cobraria um valor um pouco menor do que eles gastariam com duas.

E num vai e vem de ligações, ele me avisou que os amigos optaram por pagar uma única garota. Nessa altura do campeonato, eu já estava ansiosa e queria participar de qualquer jeito. Então perguntei:
                - Posso ir como convidada?
O sujeito do outro lado da linha ficou mudo. – Insisti:
               - Não precisa me pagar,  só quero a experiência... para o meu currículo. (hahaha)
Mais algumas ligações depois, ele retorna:
               - Nina, a outra garota pode ficar enciumada e grilada.
               - Mas eu não ligo, quero participar. – Respondi.
               - Faz assim, na próxima vez eu chamo você.
E foi dessa forma que fui dispensada da putaria mesmo me oferecendo. Agora eu vou organizar a “Festinha da Nina”, hahahah! Tá valendo!

CONVERSATION

5 comentários:

  1. Não acredito nisso,caraca e de pois eu que sou buro .

    ResponderExcluir
  2. como tem cara burro nesse mundo!

    ResponderExcluir
  3. Eu teria o maior prazer em organizar essa festa pra vc... Balada da Nina uma festa pra vc jamais esquecer, uma rainha vários súditos....

    ResponderExcluir
  4. Me chama para a sua festa, por favor! Esse corpo, esse ânimo, essa boca...

    ResponderExcluir