Trem Bom - parte 2

Existe um poema de Charles Bukowski (escritor norte-americano) que começa assimhá um pássaro azul em meu peito que quer sair / mas sou duro demais com ele, / eu digo, fique aí, não deixarei / que ninguém o veja.

E cá entre nós, eu tento

...

Conheci o moço no início do ano, quando escrevi sobre nosso primeiro encontro aqui, depois desse, nos vimos mais cinco vezes e fica a indireta, se tá dando para contar é porque nos vimos pouco.

Em janeiro quando nos conhecemos, ele estava quase viajando de férias e na despedida disse que entraria em contato. Entrou no mesmo dia que chegou.

Apesar de ter duvidado, fiquei muito feliz quando vi sua mensagem. E acredite, eu estava louca de vontade de ir vê-lo, mas infelizmente tinha visita na minha casa. 

Daí a semana começou e nada dele aparecer, eu já achava que ele tinha desistido de me ver mais uma vez, mas daí numa quarta-feira recebi sua mensagem.

Qualquer palavra que não seja Mágico não faz jus aos nossos encontros. E só a palavra química também não resumiria bem esses momentos. É o tipo de encontro que é o pacote completo. 

É o toque da pele que combina, é o cheiro de intimidade, é a forma como nos encaixamos, é o gosto delicioso de beijos que não cessam enquanto estamos próximos. 

Me encaixar nele é como se eu tivesse realmente encontrado a minha caixa e todas às vezes que ele está dentro de mim, a sensação é de plenitude e de desejo de querer estar ali por muitas e muitas vezes. 

Não preciso estar perto dele para me excitar,  o mínimo de lembranças daqueles momentos me deixa úmida e cheia de vontade de estar de novo. 

Sem malabarismo, sem posições mirabolantes, apenas um em cima do outro, com pele na pele, olhos nos olhos e dois corações que batem em ritmos acelerados no caminho do orgasmo. 

O difícil é me manter racional perto dele, é caminhar em sua direção sem tropeçar nas minhas pernas bambas, é manter um linha de pensamento coerente com o que minha boca fala... mas o mais difícil é ficar longe tanto tempo mesmo a gente morando tão perto. 

Um mineiro tão workaholic, tão pai coruja, tão dedicado no que se propõe a fazer que fica tão difícil não admirar e não se envolver ou como diria o Skank: "é como entrar num rio e não se molhar"

Gosto de quase tudo nele. 

Só não gosto desse espaço de tempo infinito chamado

saudade que ele deixa acumular. 

Feliz Aniversário.

💘


CONVERSATION

2 comentários: